FESTA EM HONRA DE S. BRÁS DOMINGO 3 DE JANEIRO

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

MAGUSTÃO 2012 ESTÁ A CHEGAR

 
O “Magustão”, festa maior da Associação ARCO, teve a sua primeira edição em 1998, no Largo de Santo Ovídio, onde se realizou até 2000.
Em 2002 a Associação foi legalizada, mas logo a seguir interrompeu a sua actividade, muito por falta de um espaço para sede social. O bom entendimento com a Fábrica a Capela e a Direcção da Arco viabilizou a utilização do Parque da Capela e a antiga casa da paróquia para sede. Corria o ano de 2005 quando a Associação de Santo Ovídio foi reactivada, iniciando uma nova etapa, afirmando-se rapidamente no universo associativo do concelho de Fafe. O “Magustão” passou a ser realizado no Parque de Lazer da Capela e ali tem-se realizado há sete anos.
Já na sua 11ª edição, ininterruptamente há sete anos, o “Magustão” volta a ser festejado este ano em Santo Ovídio em vésperas de S. Martinho, dia 10 de Novembro.
Mantém-se assim uma tradição iniciada em finais do século passado que corresponde à festa emblemática desta Associação que tem vindo a crescer e é, indubitavelmente uma importante referência para a Comunidade Santo ovidense e para a freguesia de Fafe.
 

sábado, 13 de outubro de 2012

Santo Ovidio Vence a SuperTaça Futsal 2012

Disputou-se ontem a Supertaça de Futsal 2012, entre a formação do A.R.C.O. Stº Ovídio, equipa que fez a dobradinha (campeonato e taça) na época transacta e a formação dos Ases S. Jorge, finalistas da última edição da Taça Cidade de Fafe. Ambas as equipas apresentaram-se no Municipal com algumas caras novas para a nova época futsalística e também com os seus novos uniformes.
O jogo começou bem e muito intenso e prova disso foram os dois golos madrugadores que surgiram no encontro. Os Ases abriram as hostilidades logo ao segundo minuto da primeira parte por intermédio de Talocha. No entanto, a vantagem viria a durar apenas um minuto quando Toni aproveitou a primeira oportunidade de que dispôs para repor a igualdade no marcador. A reviravolta viria mesmo a ser consumada ao minuto nove por intermédio de Artur Costa que num golpe de mestria introduziu o esférico de calcanhar aproveitando uma bola “perdida” no interior da área adversária.
Após dez minutos iniciais autenticamente frenéticos e extremamente bem jogados as equipas acalmaram o ritmo e como tal a qualidade de jogo decaiu. O jogo passou a ser mais físico e os lances passaram a ser disputados com maior agressividade o que se traduziu num aumento de número de faltas.
No recomeço do segundo tempo, os Ases assumiram maior iniciativa de jogo para tentar restabelecer a igualdade no marcador. Por sua vez o Stº Ovídio tentava defender a vantagem construída na primeira parte e como tal apostava em contra-ataques rápidos para chegar até à baliza adversária. Foi numa dessas investidas que Artur Costa quase dilatava a vantagem depois de uma jogada pelo flanco esquerdo que culminou com a bola a embater no poste da baliza defendida por Orlando.
A resposta dos Ases não poderia surgir da melhor maneira: Samuel deu o melhor seguimento a uma jogada colectiva bem conseguida e já com ângulo reduzido rematou forte e rasteiro para o fundo da baliza de Pimenta.
Até final do tempo regulamentar existiram ainda mais duas oportunidades de golo, uma para cada lado, no entanto o resultado viria a permanecer inalterado e o prolongamento acabou por se tornar uma realidade para as duas equipas.
No prolongamento o Stº ovídio mostrou-se mais forte ao conseguir marcar por mais duas vezes (ambos na primeira parte). Toni e Artur bisavam na partida. No segundo tempo os Ases tentaram correr atrás do prejuízo mas apenas conseguiram reduzir a desvantagem num lance de insistência de Samuel.
4-3 seria o resultado final favorável para a formação do Stº Ovídio que conquistou assim a Supertaça de Futsal 2012.
A Associação de Futsal de Fafe elogia a postura das duas equipas, que proporcionaram um bom espectáculo. Está dado o pontapé inicial para a nova época futsalística fafense!


texo e foto: A.Futsal de fafe

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

FESTAS EM HONRA DO PADROEIRO CONTINUAM GRANDIOSAS



A romaria ao alto de Santo Ovídio perde-se no tempo. O conhecimento de um templo anterior à capela actual datada de 1871 pode conduzir-nos a um tempo medieval em que certamente já ali se faziam romagens.
A centenária peregrinação a Santo Ovídio é, desde pelo menos o século XIX, uma das mais importantes romarias do concelho de Fafe, muito concorrida por romeiros oriundos de outras paragens nortenhas. Comboios especiais transportavam centenas de pessoas que, naquela altura, terminavam a viagem no apeadeiro do lugar, ficando assim mais perto da festa.
Nos anos 90 do século XX a Festa de Santo Ovídio entrou em decadência e perdeu o brilho de antanho. Praticamente reduziu-se às cerimónias religiosas, ainda assim muito participadas.
Em 2005, a revitalização da associação do lugar (ARCO) e a renovação da Fábrica da Capela, trouxe uma lufada de ar fresco às festividades que retomaram a popularidade e o brilho de outros tempos.
Em pleno Minho das romarias, as festividades em honra a Santo Ovídio são de novo ponto obrigatório para milhares de peregrinos que, no terceiro domingo de Agosto acorrem ao paradisíaco recinto implantado sobre a acrópole de um antigo povoado castrejo, cumprindo as suas promessas, reencontrando uma festividade com notoriedade.




Noitada e cortejo etnográfico atraíram milhares

A Romaria de Santo Ovídio teve lugar no passado fim-de-semana, 18 e 19 de Agosto com diversidade de atracções pagãs e religiosas.
Apesar do mau momento económico, foram muitos os que em final de tarde de sábado saborearam os petiscos e as bebidas na agradável esplanada do recinto. O Grupo de Bombos da Associação ARCO fez uma arruada.
  A noite caiu e o povo juntou-se em redor de uma procissão de velas que este ano não ultrapassou a participação de anos anteriores. Três andores saíram da capela, ao centro o padroeiro Santo Ovídio com a imagem de Nossa Senhora de Fátima atrás e o Santo António à frente. A fanfarra do CNE de Fafe abriu o cortejo religioso. Após contornar o cruzeiro ocasional no centro do largo do lugar a procissão regressou à capela para uma celebração religiosa.






Mais de um milhar de pessoas concentradas no recinto da festa assistiram à brilhante actuação do grupo de dança do atelier da ARCO. Vários temas musicais foram coreografados por crianças e jovens da Associação local.
Seguiu-se o espectáculo, também muito apreciado, pelo Grupo de Concertinas “4 Mens” com as canções da artista fafense “Melaníe” pelo meio. Um intervalo deu lugar a uma vistosa sessão de fogo-de-artifício. A noite terminou com nova actuação  dos “4 Mens”.










O domingo começou com a celebração de uma missa solene cantada pelos “Jovens de Basto”, numa capela repleta com muitos fiéis no espaço exterior.




Pelas 15h00 centenas de figurantes juntaram-se junto à entrada da pista de ciclo-turismo para seguirem depois em cortejo até ao alto do Monte de Santo Ovídio. A abrir o desfile a fanfarra dos Bombeiros Voluntários de S. Mamede de Infesta seguidos por um grupo de figurantes com trajes regionais, o Grupo Regional Folclórico e Agrícola de Pevidém, jogadores do pau da Sociedade de Recreio Cepanense, um grupo de bicicletas antigas organizado pelos “Restauradores da Granja” e, a fechar, o Grupo de Bombos da ARCO.
Muitas centenas de populares aguardavam no recinto pela chegada do cortejo que “arrastou” mais pessoas que encheram o recinto da festa.
Após a imposição de faixas aos participantes no desfile o grupo Folclórico de Pevidém subiu ao palco e pôs muito público a dançar e/ou apreciar o mais tradicional género musical minhoto. Seguiu-se a actuação do Grupo de Cavaquinhos da ARCO que este ano teve direito a uma aparição no programa televisivo da Volta a Portugal em Bicicleta. Ainda em início de “carreira” o Grupo de violas da Associação Recreativa e Cultural de Santo Ovídio actuou no intervalo do Grupo de Cavaquinos que fechou o espectáculo daquele último dia de festa que culminou com nova sessão de fogo-de-artifício.













Mais um ano de grande sucesso para as festividades em honra a Santo Ovídio que, por dois dias, “exorcizou” a crise ficando a aguardar a tão esperada retoma para maior engrandecimento de uma das mais afamadas festas do concelho de Fafe.

Jesus Martinho 
Notícias de Fafe 24/8/2012